29/10/05 - 17h:00mDenunciar

Mãe Néinha D'Nanã, conduzindo a Festa D'Odé do Pai Robso

ENTREVISTANDO PAI ROBSON D’ODÉ



Aos 08 (oito) anos de idade, Pai Robson D’Odé entra para a vida Religiosa Afro descendente, sendo iniciado ao Òrìsà Odé somente em 1996, por Maria Luiza D’Osun do Ilê Asé Omo Odé Arolê o qual é Rombono, quando iniciado ao Òrìsà o fez por amor; com a Iyálòrìsà Luiza, Pai Robson tomou suas obrigações de 01 (um) e 03 (três) anos.

Hoje pertence ao Asé Portão de Muritiba (Ilê Ibessen Alaketú), quando tomou com a conceituada Iyálòrìsà Néinha D’Nanã seus 07 (sete) anos, recebendo assim seu Oyê, no Ilê Iraió Asé Nambuku.

Pai Robson é Bàbàkèkèrè do Ilê Asé Oyá Tade Ise Dale, do Bàbàlòrìsà Márcio D’Oyá da Rua Antonio Peixoto, 266 em São Vicente/SP. Nesta conceituada Casa de Asé o Pai Robson se tornou também Bàbàlòrìsà, quando foi sentado por sua Iyálòrìsà Néinha D’Nanã, sendo sua primeira Iywaô (Michele D’Odé) iniciada em 2002.

Fenorixá: Pai Robson quem é o Òrìsà Odé em sua Vida?

Pai Robson: Odé é meu Deus, é o ar que Eu respiro, é o meu caminho, é o meu amor, é a minha paz, é o meu sucesso, é o meu brilho, porque mesmo Eu sendo novo de Santo, procuro aprender o Candomblé e ser Lesse Òrìsà, dando valor a todos os Iywaôs que Eu faço, pois sem Iywaô não tem Candomblé, e meus filhos (òmòrìsàs) crescem junto comigo, porque ninguém cresce sozinho.

Fenorixá: Porque o Sr. saiu da Casa de Asé o qual foi iniciado (Omo Odé Arolê da Iyá Luiza D’Osun) ?

Pai Robson: Eu só sair da Casa de Mãe Luiza, porque ela falou que Eu não era nada na Casa dela e “Eu dava a minha vida e o meu sangue” naquela Casa de Asé, Eu fui o primeiro Iywaô que ela raspou, portanto Eu sou o Rombono daquela Casa, pois estou vivo...

Fenorixá: E a Mãe Néinha?

Pai Robson: Minha Mãe Néinha é tudo, pois minha vida mudou por inteiro, tanto na vida espiritual como material, hoje não mi vejo em outro Asé, pois pertenço ao Asé da Mãe Néinha com muito amor, pois Mãe Néinha é uma Iyálòrìsà que não tem preço e não dar preço a ninguém.

Fenorixá: Se Odé hoje, pedir seu próprio Asé o Sr. estaria preparado?

Pai Robson: Enfrentaria com naturalidade, sem esquecer o Asé Oyá, onde mi acolheu com carinho e neste Asé, tomei meu Oyê e fui sentado como Bàbàlòrìsà (nunca vou esquecer essa Casa de Asé), vou sempre respeitar o Bàbàlòrìsà Márcio D’Oyá, conciliando minhas festas, com as festas do Asé Oyá Tade.

Fenorixá: Qual a Visão do Sr. do Candomblé da Baixada?

Pai Robson: O Candomblé da Baixada está crescendo muito, não posso falar mal deste lugar, desta cidade que mi acolheu, mesmo conhecendo o Candomblé como ele é em outras grandes cidades, como Salvador que estive recentemente a passeio.

Fenorixá: O Candomblé, tem sofrido muitas mudanças, o que o Sr. acha?

Pai Robson: Bom Eu procuro agir como os mais velhos deixaram, não sou Bàbàlòrìsà de Internet e nem de apostila, embora a maioria aplique; nosso Asé, segue uma tradição seguindo uma hierarquia que vem dos mais velhos; mais cada um faz o que quer em suas casas. Hoje vejo Iywaôs que não respeitam mais seus mais velhos, e o pior é Iywaô raspando Iywaô, Iywaôs querendo ser Bàbàlòrìsàs ou Iyá antes do tempo, e na maioria das vezes os erros vem de seus Sacerdotes, talvez pelo dinheiro que venha a receber. Por isso que os Iywaôs ficam sem paradeiro de Casa em Casa, sem raiz e suas cabeças parecendo um Asé de Nações Unidas e isso não existe...

Fenorixá: Saudades, existe em sua Vida?

Pai Robson: Sim, do saudoso Pai Vivaldo, meu Avô e padrinho de morunkó do meu Santo, meu amigo, pessoa que mi deu muita força, principalmente quando iniciei minha primeira Iywaô, quando nem mesmo minha Iyálòrìsà na época (Maria Luiza) não queria que Eu fizesse, mais Eu fiz; sinto saudades do finado Jô D’Iansã do Asé Ilê Obá Orixá Oyá Lokemin, foi o homem que mi ensinou a fazer a qualidade de Òrìsà da minha primeira Iywaô e não posso jamais esquecer da Saudosa Mãe Baratinha (lágrimas), que tive o prazer de conhecer e com ela aprendir cantigas de Asé, sinto muitas saudades desse povo, pois eles sabiam Asé, podem falar o que for, mais eles sabiam...

Fenorixá: De Pai Robson, para Pai Robson?

Pai Robson: Sou uma pessoa que não sou melhor que ninguém, a diferença é que procuro levar o Candomblé como aprendir lá atraz, não sou Bàbàlòrìsà de iniciar hoje um Iywaô e amanhã levar o mesmo para cama, como acontece em várias casas, sou contra a tudo isso, não faço questão de cabeças, faço questão de Òrìsàs...

Fenorixá: E que mensagem o Sr. passa para nosso Povo?

Pai Robson: Que sejam mais lesse Òrìsà, respeitar mais o Òrìsà e a casa do Santo sem botar defeito onde não existe, pois cada um dar o que tem. Que os Iywaôs sejam Iywaô, sem querer ser Iywaô Pai ou Mãe, pois para ser um bom Pai, tem que ser primeiro um bom filho e outra coisa, ninguém pode ser um Bàbàlòrìsà ou Iyálòrìsà se não tiverem estrutura familiar que é a base de tudo, pois quem não tem família, é ruim deles serem um bom Sacerdote.

Fenorixá: A Fenorixá, agradece por esta oportunidade em estar entrevistando o Sr. para nosso Jornal Informativo.

Pai Robson: Eu é quem agradeço e peço a Odé, Iansã e Nambuku que seja tudo em nossas vidas, gosto muito do Sr. Pai Gladston e o Sr. também faz parte desta Casa de Asé, é um prazer fazer parte a essa conceituada Federação que é tão bem representada pelo Senhor. Asé

Fenorixá: Aproveitando, informamos que dia 15/10/05, aconteceu a entrega de Oyê de Ana D’Osumarê filha do Pai Marcio D’Oyá e os 07 (sete) anos do Ogã Maninho D’Ayrá filho do Pai Robson D’Odé, foi uma linda festa e contou com as presenças de grandes nomes do nosso Candomblé. Asé

Entrevista realizada em 17/10/2005 – São Vicente/SP por Pai Gladston D’Odé – E-mail: fenorixa@uol.com.br



Fenorixá: Rua Leopoldo Augusto Miguez, 9947 Jardim Melvi – Praia Grande/SP / Cep: 11712-170

Fonefax: (13) 3594.4520 / 9148.4618

Comentários (2)

fenorixa
1. fenorixa 29/10/2005 - 17h20m

O Pai Robson e o Pai Márcio, são pessoas maravilhosas, Eu pessoalmente gosto muito desta Casa de Asé. Ao Pai Márcio e Pai Robson, meus sinceros agradeciemntos por fazer parte de nossa Fenorixá - Federação Nacional da Religião Orixá. Asé...

2. Odesylê 29/10/2005 - 22h41m

estive observando e dou minha aprovação com muito exito
Odesyle da cidade de camaçari na bahia

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.