10/04/08 - 23h:32mDenunciar

..........

ao som de "Revolution"...adoro!!!



* Na foto, a dupla dinâmica da The Cult, Ian Astbury e Billy Duffy.



Hoje li um artigo bacana sobre o casal sagaz Clarice e Lúcio, no site da revista Cult...



Aí segue o texto...adorei o título.



CHAMA INCONTIDA



Teresa Montero



Foi na redação da Agência Nacional que a jovem jornalista Clarice Lispector entrou no mundo literário, pelas mãos de seu colega, o romancista e poeta Lúcio Cardoso, dotado de uma personalidade enigmática e sedutora.



Clarice não resistiu aos seus encantos e percebeu que Lúcio era um mundo no qual ela gostaria de viver. "Lúcio e eu sempre nos admitimos: ele com sua vida misteriosa e secreta, eu com o que ele chamava de 'vida apaixonante'. Em tantas coisas éramos tão fantásticos que, se não houvesse a impossibilidade, quem sabe teríamos nos casado."



A parceria amorosa não se concretizou, mas os laços de amizade possibilitaram a descoberta de inúmeras afinidades. Lúcio e Clarice eram daqueles tipos de autores que escreviam movidos por uma exigência íntima, da qual não podiam escapar. Para eles, viver e criar eram sinônimos.



Após a publicação de seu primeiro livro, Perto do coração, Clarice, recém-casada, mudou-se para a Europa com o marido diplomata. Nessa fase, a amizade sobreviveu por meio das cartas. Clarice falava do seu trabalho e pedia conselhos. Sempre atenta à publicação dos livros de Lúcio, gostava de comentar as suas impressões, mostrava-se uma leitora voraz e interessada.



Difícil precisar quem exerceu o papel de discípulo e quem o de mestre, e até que ponto as influências dessa relação repercutiram em seus trabalhos. Em todos os seus depoimentos, Clarice assumiu o papel de discípula, mas o que fica é a impressão de que a relação marcou o encontro de duas pessoas que se descobriram muito próximas no ver, no sentir e no viver.



Tanto que, ao falarem o que pensavam um do outro, os dois escolhiam a imagem do fogo. Dizia Lúcio: "em toda obra dessa grande escritora, alguma coisa íntima está sempre queimando: suas luzes nos chegam variadas e exatas, mas são luzes de um incêndio que está sendo continuamente elaborado por trás de sua contensão. Esse fogo é o segredo íntimo e derradeiro de Clarice."



Já Clarice, ao lembrar-se do amigo, depois de sua morte, escreveu numa crônica: "Lúcio, estou com saudade de você, corcel de fogo que você era sem limite para o seu galope." Essa busca incessante e ilimitada do sentido da vida, a coragem de colocarem toda a sua alma naquilo que escreveram, os uniu para sempre.





The Cult - Revolution (tradução)



Figuras de sonhos interminaveis

Eu não posso ver o que estas imagens significam

Trancado por dentro não pode liberar o arco-íris

Como flores perecendo eles caem e se torcem e morrem

Há uma revolução

Há uma revolução

Ha uma revolução

Lágrimas o que a revolução significa para você

Salvar o dia é como pedir ao vento

Todos meus lindos amigos se foram para sempre

Como as ondas eles escoam e enfraquecem e morrem

Há uma revolução

Há uma revolução

Há uma revolução





The Cult

Comentários (0)

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.