04/08/06 - 01h:41mDenunciar

'Uma onda no ar'

Filme inspirado na história da Rádio Favela, criada nos anos 80 por jovens negros de uma grande favela de Belo Horizonte: a Vila Nossa Senhora de Fátima, localizada no Aglomerado da Serra. No alto do morro, quatro jovens amigos sonham em criar uma rádio que se tornaria a voz da favela. Fatos verdadeiros se misturam aos imaginários e os personagens cinematográficos se inspiram, com liberdade, nos personagens reais. Jorge, o líder da rádio, é preso e, na cadeia, conta aos outros presos a história da rádio.

O filme volta no tempo.

Com uma programação corajosa e uma linguagem espontânea, a rádio conquistou um grande número de ouvintes e repercutiu muito além do alcance de suas ondas. Reprimida por 20 anos, conquistou audiência no morro e no asfalto e acabou transformando-se em rádio educativa.



Nesta semana, policiais federais invadiram a "Rádio Livre Várzea do Rio Pinheiros", em São Paulo, e roubaram seus equipamentos. Revoltados, representantes do meio falaram sobre a situação. Para eles, a organização do Estado, representada por uma política de "democracia", que representa apenas os interesses de quem possui mais dinheiro, está completamente desacreditada pela sociedade.

"Agimos como uma Rádio Livre justamente no sentido de propagar uma reflexão sobre este modelo 'democrático' que nos fazem engolir goela abaixo a cada dois anos, nas eleições, e todo dia, quando roubam o direito de morar, ter saúde, comida, educação,

felicidade, de todas as pessoas que não são detentoras dos meios de produção ou de geração de riquezas neste país de instituições tão arcaicas".

Os representantes ainda acrescentam: "Não aceitamos o monopólio do direito de falar, de pensar, de dizer verdades, de só nos permitirem escutá-las. Não aceitamos esse pacto social a que nos submeteram. E se enganam os levianos que acham que, roubando, ou melhor, furtando, na surdina, numa ação covarde, os equipamentos que nos permitem atingir nossos anceios, iremos nos calar. Encaramos isso como uma mera provocação, um ato a mais no longo cabo de guerra entre nós e vocês".



Amanhã, a Carta Capital traz uma reportagem sobre os principais problemas das rádios comunitárias e as idéias para tentar solucioná-los.



Além da "Rádio Livre Várzea", a "Heliópolis" também de São Paulo e milhares de outras no país, que não tinham licença para funcionar, foram fechadas pela Polícia Federal e pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações). Assim como as demais, "Heliópolis" é um expoente do conceito de rádio comunitária: toca todo tipo de música e informa a população sobre direitos e deveres, faz campanhas de conscientização em saúde, educação, cidadania. Também mantém o serviço de localização de pessoas perdidas.

Há milhares de pedidos de concessão de rádios comunitárias parados no Ministério das Comunicações, responsável pelas licenças. O ministério alega não ter estrutura para analisar todos os pedidos. Sem resposta oficial, que pode levar até oito anos, muitas rádios começam a funcionar mesmo sem autorização.

Hoje a burocracia, os entraves legais, o desvirtuamento das rádios comunitárias e a criminalização das que funcionam sem autorização são alguns dos problemas de um setor de suma importância para o país. No futuro bem próximo, com a chegada do padrão digital para a radiodifusão, abre-se a possibilidade de uma discussão sobre quais as reais chances da democratização da comunicação no Brasil.



E alguém ainda acredita em democracia?





Aí vai uma música da Plebe Rude...



Censura



Unidade repressora oficial



A censura, a censura

única entidade que ninguém censura



Hora pra dormir

hora pra pensar

Porra meu papai

deixa me falar



Unidade repressora oficial



A censura, a censura

única entidade que ninguém censura



Contra a nossa arte está a censura

abaixo a postura, viva a ditadura

Jardel com travesti, censor com bisturi

corta toda música que vocês não vão ouvir



Unidade repressora oficial



A censura, a censura

única entidade que ninguém censura



Nada para ouvir, nada para ler

nada para mim, nada pra você

nada no cinema, nada na TV

nada para mim, nada pra você



Unidade repressora oficial

Unidade repressora oficial











Comentários (5)

jukhouri
1. jukhouri 4/08/2006 - 08h27m

Ju, esse filme é excelente... traduz exatamente o problema citado por vc, que está acontecendo em S.P. Não tenho condições para avaliar o atual governo do Brasil, por falta de conteúdo e de experiência na área política, mas, além do excesso de burocracia e da "restrita" democracia, o que está notório é a fagulha de censura que vem tentando conquistar espaço na sociedade. Como é o caso da tentativa de criação do Conselho de Jornalistas e da Agência Nacional do Cinema e do Audiovisual...

jukhouri
2. jukhouri 4/08/2006 - 08h35m

O passado de censura não é assim tão distante... que findou a pouco mais de 22 anos... será que um governo ditatorial é possível de se repetir?! ou aquela censura explícita à liberdade de expressão continua existindo de forma mais sutil?! espero que a resposta de ambas as perguntas sejam negativas... te amo,amiga... bjim

rednewvideomaker
3. rednewvideomaker 4/08/2006 - 08h48m

Putz! Com o padrão digital aqueles que querem a democratização da comunicação e interessa muito por este espaço, deverá ficar atento sobre esta "possibilidade de discussão" sobre democratização. Porque com o padrão digital as autoridades competentes não precisará entrar na favela para "apreender" e desligar equipamentos. O sistema digital será igual a TV de plasma o você tem $ o você não tem $. Uma das "vantagens" do sistema é coibir a clandestinagem das rádios.Não se montará transmissore

rednewvideomaker
4. rednewvideomaker 4/08/2006 - 08h49m

s facilmente como se monta, com restos de outros transmissores como foi mostrado no filme. Com o digital quem não tiver autorga e conseguir ir para o ar, as autoridades com um simples apertar de um butão tira a rádio do ar.

5. Jusmith 4/08/2006 - 11h04m

Taí Branco, sugere uma pauta sobre isso para alguma rádio, jornal, ou até mesmo fala sobre isso com algum professor seu.

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.