26/02/10 - 13:16Denunciar

Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt

Neste momento, o Angra está trabalhando firme na produção de seu próximo disco de estúdio. Será o primeiro depois que as atividades foram retomadas, no ano passado, e também marcará a volta do baterista Ricardo Confessori à banda. A revista Guitar Player fez uma entrevista exclusiva com Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt para saber sobre o novo material. Confira:

O que poderiam contar em relação ao novo disco do Angra? Há algum tema que estejam trabalhando para as músicas?

Kiko: Sim, temos um conceito, um tema. Musicalmente, deixamos rolar e, quando tínhamos umas 20 músicas semiprontas, demos um direcionamento. O principal conceito é o estilo do Angra, que já está solidificado com os quase 20 anos de estrada. Acredito que o novo álbum mescla o Angra mais tradicional, principalmente pelo fato da volta do Ricardo, a elementos modernos, que todos nós vivenciamos atualmente.

Rafael: Temos nossa maneira de compor e um estilo já consolidado. Isso inclui elementos de todos os discos, pois, no percurso de nossas carreiras, vamos somando a experiência de cada álbum ao próximo. Temos uma base de fãs muito fiel e exigente. Recebemos e-mails em tom autoritário exigindo solos, orquestras, agudos, bumbos duplos e outras coisas. Apesar de não levar muito a sério tais exigências, é o que gostamos de fazer no grupo. E é isso o que os fãs terão. Mas o grande diferencial será o cuidado que estamos tendo com cada detalhe: harmonias, composições, som, arranjos etc.

Em termos de sonoridade, há alguma novidade ou diferença marcante, principalmente com a volta do Confessori?

Kiko: Todo músico imprime uma característica. O Ricardo, por ser experiente e versátil, claro que deixará a sua marca em relação à sonoridade e ao estilo. No geral, moldamos a sonoridade de acordo com a gravação. Não traremos nenhuma mudança radical. A formação básica é a mesma, as afinações são as tradicionais. Experimentamos, sim, mais mesclas de estilos e formas, além de termos arriscado muito, harmonicamente falando, para fugir do lugar comum do estilo.

Rafael: Acho que o jeito dele [Confessori] tocar muda tudo. Ensaiamos bastante para entrosar as guitarras ao seu molejo, que é bem diferenciado no meio do metal. As ideias musicais tomam uma direção muito diferente com ele nas baquetas.

Como está soando a banda, comparada ao primeiro período em que Confessori esteve no Angra?

Kiko: O principal é a vontade, o entusiasmo e a dedicação que estaremos trazendo com o novo trabalho. Tudo isso está impresso nas composições e na execução.

Rafael: Ao fazer os primeiros ensaios com ele [Confessori], em especial as músicas antigas, lembramos do tipo de suingue que havia sido “modificado”. Essa lembrança nos empolgou a recuperar esse tipo de sonoridade no grupo. As composições estão valorizando esse ponto e acho que os fãs vão gostar muito.

Já há um título para o disco e data de lançamento definidos?

Kiko: Ainda não. Temos possibilidades de nomes, por enquanto. O lançamento deve acontecer por volta de junho.

Há algo que poderiam nos revelar em primeira mão?

Kiko: Será o melhor CD do Angra!

Rafael: Digo que estamos muito empolgados, entrosados, com vontade de tocar e mostrar todas essas emoções. Este CD, com certeza, será lembrado pelos fãs como um clássico e como uma referência bem atual de qualidade no metal nacional.

www.guitarplayer.uol.com.br

Comentários (0)

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.