Kiko Loureiro

"DEVOÇÃO AO INSTRUMENTO

Era uma quinta-feira cinzenta, chuvosa e úmida, na qual a cama king size e as montanhas de travesseiros do hotel luxuoso me seguravam como um centro gravitacional intransponível, quando o impiedoso despertador me alertou que já haviam se passado vários cinco minutos de “snooze”. Agarrei um café e encontrei meu novo amigo contratado para me transportar pelas “freeways” de Long Island até Farmingdale, em Nova York.

Os escritórios e a fábrica das conceituadas marcas D’Addario, Evans e Planet Waves situam-se nesse bairro industrial – local que sempre esteve entre os meus pontos turísticos “dez mais” em Nova York. Finalmente tive a possibilidade de visitá-lo. Estátua da Liberdade, Blue Note e MoMA que me desculpem , mas ficaram para a próxima.

Aspecto fundamental na carreira de todo profissional, principalmente de um músico e artista, é definir uma visão sólida e um motivo para sua obra – onde queremos chegar, o que queremos transmitir para o mundo e como fazer para atingir essa meta. Resumindo, determinar “por que” fazemos e não só “o que” fazemos. Sem um conceito, missão e valor no que se faz, tudo fica insosso, sem brilho e sem alma e, por consequência, torna-se um fazer por fazer que não traz um resultado e futuro empolgantes.

Esse conceito é amplamente usado não apenas por artistas e bandas, mas também por empresas e marcas, sendo que as duradouras são aquelas que, desde o princípio, seguiram de forma bem definida uma visão e pensamento. O porquê representa nosso propósito, ideal, sonho, conceito, visão e propósito, em que não existe análise e pragmatismo. Sem ele, não há paixão no que fazemos.

Com seus mais de cem anos de existência, a D’Addario possui seus objetivos impressos em seu DNA, portanto, foi uma grande oportunidade ver de perto o funcionamento dessa organização, aprender um pouco, saciar minhas curiosidades e entender os porquês de uma instituição de sucesso com vasta existência.

Além da paixão pela música – arte sem a qual não conseguimos viver, que perseguimos incansavelmente e entregamos a vida para aprender e dominar –, o músico também tem uma relação muito forte com os instrumentos que usa. Não se trata de uma mera ferramenta de trabalho, é algo com que nos conectamos emocionalmente e que desejamos, colecionamos e idolatramos. Sendo assim, sempre que vejo como são feitos os instrumentos e conheço seus artesãos, criadores, engenheiros e desenvolvedores, para mim é um momento mágico, sagrado e de profundo respeito.

Bem, voltando à minha visita... Como uma criança prestes a visitar uma parque de diversões, lá estava eu na entrada das enormes instalações, pronto para me perder pelos corredores e descobrir os segredos por trás de um simples fio de metal que passei a maior parte da minha vida pressionando, torcendo, batendo, puxando, estourando, desenrolando, cortando etc., na tentativa de fazer com que vibrasse em sintonia com as minhas maiores emoções.

A mensagem na porta de entrada com um “welcome” em meu nome logo mostrou que a empresa sabe que detalhes fazem a diferença. Passando por corredores burocráticos, nos quais fotos, autógrafos e a memorabilia de shows e eventos deixam tudo mais leve e musical, entramos na fábrica em si, onde a magia da transformação acontece. Um espaço sem fim em que, como uma tecelagem, as máquinas pesadas dançam e rodam, contrastando com as delicadas mãos das moças que as operam. Tudo afinado e bem orquestrado.

A visita foi um aprendizado. Neste ambiente onde o contemporâneo e a tradição convivem afinados, fiquei contente ao ver que não apenas quem é músico têm esta relação de amor, afinidade e devoção com os nossos instrumentos de trabalho. Saber por que fazemos e para quem fazemos, assim como conhecer nossa missão e valores, é o ingrediente fundamental para o sucesso e realização dos nossos sonhos."


Kiko Loureiro @ Guitar Player

Comentários (0)

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.