14/11/04 - 19h:33mDenunciar

Entrevista com Aquiles Priester



Superação Coletiva



AQUILES PRIESTER contou tudo sobre o seu trabalho de composição e gravação do Temple Of Shadows.



Depois de ter que comprovar sua competência como novo baterista da banda Angra no álbum Rebirth , Aquiles Priester é hoje verdadeiramente adorado pelos fãs do grupo. O espaço foi definitivamente conquistado, e Priester alcançou o posto de ícone. Mas com o novo disco do Angra, Temple Of Shadows , o grupo passa para um outro nível, bem mais alto do que estava até então. O trabalho é um divisor de águas e apresenta uma linha instrumental rica e refinada, que impressiona qualquer ouvinte. Segundo Aquiles, esse foi um dos discos mais trabalhosos de sua vida. Mas, sem dúvida, todo o esforço valeu à pena. A banda arrancou elogios do público e da crítica no Japão e Europa, e mostrou capacidade inequívoca em misturar elementos que variaram do flamenco ao progressivo, só para citar alguns. Em entrevista à equipe da Batera , Aquiles contou todos os detalhes da gravação, do processo de composição e confessou que teve muito mais liberdade na hora de registrar suas baterias em Temple Of Shadows.



A parte instrumental de Temple Of Shadows foi muito bem trabalhada e está bastante refinada. E dois instrumentos, o baixo e a bateria, que no Rebirth estavam meio “escondidos” estão bem na cara nesse disco. Em que momento do processo isso foi decidido?



Quando a banda estava começando a fazer as músicas novas, já tinha uma vaga idéia do que queria fazer. No Rebirth o grupo precisava mostrar que tinha voltado, que a essência do Angra estava mantida. Mas, ao mesmo tempo, não podia soar tão diferente dos discos anteriores. Por essa razão, eu me senti muito mais preso ao passado do Angra e não pude tocar exatamente como queria aquelas músicas. E também acredito que muita coisa dos arranjos que mostrei naquela época, não foi bem aproveitada. Ou na hora da mixagem as partes não ficaram exatamente como eu gostaria. No momento em que estávamos compondo esse disco, vimos o direcionamento que estávamos tomando. De certa forma, bem no início, a banda já sabia que precisaria fazer uma coisa nova. Foi uma surpresa para todo mundo quando pegamos a primeira demo pronta e o Dennis ( Ward, produtor ) ouviu as músicas. Ele comentou que parecia outra banda, com novas idéias, mas com a marca do Angra. Ele disse que seria mais difícil gravar aquele material porque teríamos de estar muito bem preparados. O Dennis percebeu também que queríamos fazer uma coisa mais pesada, com espaço para tudo. Por isso, dessa vez, nesse disco, toquei o que eu quis. Não precisei mais submeter meus arranjos à aprovação da banda, cada um ia fazendo suas partes, lógico que sempre pensando no contexto musical. Acabou saindo esse resultado fantástico que a banda conseguiu depois de quase um ano e meio, desde que começamos a trabalhar nas músicas.



Algumas faixas do novo disco transitam numa atmosfera mais progressiva. Esse tipo de mudança foi planejada ou aconteceu naturalmente?



Uma coisa engraçada é que essas músicas ficaram mais curtas para o disco. Na versão demo, elas tinham muito mais viagem (risos). Fomos encurtando as partes. No processo de composição, fomos escrevendo as canções para, no final, ver o que ficaria como bônus e o que estaria fora do contexto. Só que dessa vez o disco não terá faixas-bônus em nenhum lugar do mundo. São 11 músicas mais a introdução e o encerramento, que tiveram que ficar no disco. Arrumamos uma maneira de colocá-las no CD porque percebemos que aquilo era uma obra inteira. Se tirássemos alguma coisa, ia fazer falta. Uma faixa que retrata bem a nossa liberdade de expressão é a “Shadow Hunter”. Ela é progressiva ao extremo. O começo dela tem uma forte influência da música flamenca, e no meio uns coros meio Yes. Falando assim, parece impossível estar tudo na mesma música. Mas conseguimos trabalhar todas as composições para que elas não ficassem com cara de colagem. Isso porque tem muitos discos de bandas de prog-metal em que você diz que algumas partes das músicas estão se confrontando completamente. Cada vez que escuto nosso novo CD, fico superfeliz pelo resultado inteiro. Lógico que se você pegar uma música ou outra, a impressão que se tem é que está faltando alguma coisa, mas quando se ouve a obra inteira pronta, faz sentido. Esse não é um disco que para ouvir em uma festa, no meio da gritaria ou balada. É preciso atenção para escutar todos os detalhes nas vozes, no instrumental e nas harmonias, que são bem legais. Dessa vez usamos um a orquestra de verdade, que é uma coisa que a banda nunca tinha feito. Tudo isso ajudou a enriquecer cada vez mais o resultado final.



Quando se escuta esse disco, as músicas parecem compor a trilha sonora de um épico. Na hora de compor vocês também pensam em imagens para passar ao ouvinte esse tipo de sensação?



O disco conta a história de um personagem que passa a vida inteira questionando a fé, o que ele acha que é certo ou errado. Primeiro pensamos na estrutura da música como um todo, só depois o Rafael ( Bittencourt, guitarrista ) escreve as letras. Ele disse que no começo do processo, não tinha nem idéia do que falar, e que foram as músicas que o inspiraram a fazer isso. Lógico que se você pegar as letras dá para ver que é uma história, mas não dá para saber o que se passava na cabeça dele quando ele escreveu aquilo. Ele pensou exatamente em fazer uma trilha. A música “Gate XIII”, por exemplo, tem vários trechos de outras canções, com partes melódicas e harmônicas que foram orquestradas e dão um panorama épico. No momento em que o ouvinte conhecer o disco e escutar aquela música, vai se lembrar de várias partes da história. Essa faixa é realmente um fechamento do CD, é como um resumo. De certa forma isso não foi pensado, aconteceu naturalmente. Como atrasamos um pouco o processo de finalização do disco, tivemos mais tempo para “viajar” nas coisas.



A parte rítmica desse disco está, sem dúvida, muito valorizada. Como foi a sua preparação para essa gravação, que exigiu muito mais de você se comparado ao Rebirth ?



A primeira música que pegamos para trabalhar foi “Angels and Demons”, que é a mais rápida. E a próxima foi “The Temple Of Hate”, que é a segunda mais rápida. Conforme eu ia pegando as composições, pensava na dificuldade de gravar o disco. Isso porque nem sempre a performance realizada ao vivo é satisfatória dentro do estúdio porque ali, um momento é registrado para sempre. Uma das coisas que me ajudou bastante em relação a Rebirth foi que, depois desse disco, posso dizer que sou outro baterista porque fiz mais de 130 shows, melhorei a minha pegada, a precisão, a resistência e agora tenho mais experiência em estúdio. Sei o que funciona ou não na hora de gravar. A principal diferença é que consigo visualizar melhor a música atualmente. Antes eu pegava a parte da bateria, pensava mais no meu arranjo e depois via se encaixava ou não nas coisas que os outros integrantes estavam fazendo. Agora eu já consigo ser um pouco mais crítico e perceber que algumas partes de bateria que parecem ser muito legais, não têm nada a ver com o resto da música. Eu me preparei usando bastante o senso crítico e pratiquei muito. Ficamos quase um mês e meio aprendendo, ensaiando e arranjando as músicas, depois fizemos a demo, e quando o Dennis chegou, praticamos mais uns 25 dias com ele fazendo as mudanças. Então gravamos uma outra demo para ter uma idéia de como estava nosso nível técnico para registrar essas músicas. E o Dennis escolheu o que estava bom. A princípio, tínhamos 14 dias para gravar a batera. Mas terminamos em sete. Outra coisa que fiz bem diferente em relação à gravação do Rebirth, foi que comecei pelas músicas mais difíceis. Isso me fez bem. Conforme os dias iam passando, eu sabia que o mais difícil já estava pronto. É bem natural que a cada dia que você grave, vá ficando mais cansado. Se deixar as mais rápidas e técnicas para o final, você vai penar mais. Eu me lembro que entre o Natal e Ano Novo de 2003 para 2004, fui para Porto Alegre e levei um kit de primeiros socorros que fosse suficiente para eu seguir praticando ( risos ). Não parei nesses 10 dias de férias que tive porque já ia entrar no estúdio dia 2 de janeiro. Por isso cheguei bem preparado, com os arranjos e partes prontos na minha cabeça, deixando apenas algumas viradas e frases para compor na hora. Na música “Waiting Silence” tem uma frase que fiz na hora e que demorou muito para eu conseguir reproduzir depois. Foi uma coisa totalmente intuitiva: estava tocando, veio uma idéia e explorei. Quando ouvia a música no momento em que os outros integrantes estavam gravando, não tinha a mínima idéia de como tinha feito aquilo ( risos ). Só na hora em que sentei na batera para começar a ensaiar e pegar bem os meus arranjos, que eu passei a pensar como eu teria tocado aquilo se estivesse criando novamente e consegui reproduzir todos os detalhes que vão estar nas apresentações ao vivo com certeza.



Como você trabalho o som da sua bateria dentro do estúdio? O que mudou, já que foi a primeira vez que você gravou seu kit de bateria atual?



Tive muito mais cuidado que da outra vez. O Rebirth para mim era um mundo novo. Já tinha gravado dois discos com o Hangar, um com o Paul Di'Anno, mas eram produções mais simples. Como esses discos não foram lançados no mundo todo, não havia a pressão de fazer parte do casting de uma gravadora grande que está investindo para ter retorno financeiro. Tinha alguns conceitos básicos de como gostaria que a minha batera soasse, mas não tinha a experiência suficiente para chegar até aquele som. Dessa vez microfonei meu instrumento de uma maneira diferente, estava usando um kit novo: uma Mapex Deep Forest que é uma batera que tem um som impressionante. O mérito também é do instrumento, além da microfonação não só da bateria como do ambiente todo. Como o espaço era pequeno, colocamos um PA dentro da sala e microfones espalhados por todo o lugar para captar esse som amplificado. Atrás de mim tinha um tapume de madeira em forma de triângulo, como se fosse um cone empurrando o som. Além dos dois overs atrás da bateria, três para captar os pratos e mais quatro pela sala inteira, também usamos um microfone de cada peça. Gostei muito do som de ride desse disco, diferente do anterior, até mesmo porque na época estava usando uma outra linha de pratos. Atualmente estou com a Paiste, que tem pratos com os quais eu me identifico muito mais. A diferença na captação do som do ride é que e colocamos um microfone por baixo da cúpula. É um prato Mega Power Bell 24”, da linha Dimensions, que tem uma cúpula grande com muito som. É um posicionamento que uso ao vivo, mas o Dennis nunca tinha feito antes para gravação. Por conta disso, ele ficou um pouco receoso. Mas no final, ele viu que era muito melhor porque o som ficava bem mais definido e sem o vazamento de outras peças. Outra coisa que ajudou foi a confiança do Dennis no que eu achava que era pertinente para a captação da minha maneira de tocar. Dessa vez ele estava muito mais aberto a ouvir as minhas idéias. Tive mais autonomia na gravação desse disco. Muitas vezes perdíamos até quatro horas para tirar o som de um só tambor para conseguir o que eu queria. No último surdo, por exemplo, usamos três microfones: dois em cima e um em baixo. Foi o único microfonado dessa forma porque ele tinha que ter um som mais pesado e ainda estar dentro da afinação que eu estava usando. Dennis me deixou fazer o que eu quisesse na bateria, contanto que ela estivesse gravada dentro do tempo previsto. E eu sabia exatamente as coisas que queria para esse disco porque já tinha idéia de como eram todas as músicas. Certamente esse foi o disco mais trabalhoso que já fiz em toda minha vida, e eu posso dizer que o som da bateria seguiu o conceito das músicas. Onde precisava de mais peso eu coloquei, quando precisava soar mais leve cheguei até a mudar a minha pegada para chegar no clima que a música exigia. Todos os detalhes foram muito bem pensados em termos de grooves e levadas. Gravava os ensaios e depois ouvia em casa, foi um disco totalmente trabalhado. As únicas coisas que surgiram na hora foram as viradas e as frases, que eram mais livres, soltas.



Você usou trigger durante as gravações?



Nada foi triggado. O som da minha bateria é completamente acústico. O Dennis é muito bom. Algumas vezes a captação parecia não estar muito adequada ao meu jeito de tocar, mas dessa forma tivemos mais recursos na hora da mixagem. Não necessariamente no momento em que estava tocando, o som parecia estar uma maravilha, mas é um pouco diferente de quando se toca ao vivo, quando o que vem no monitor é exatamente o que está rolando no seu PA. Nesse caso eu tinha um PA na sala e isso me fez sentir mais à vontade. Fiz vários takes e pegamos os melhores. O clima - apesar de tudo ser meticulosamente pensado - da gravação foi muito parecido com o ao vivo. Tinha essa impressão com a bateria toda microfonada, com um volume absurdo e o som de PA dentro da sala. Nunca tinha feito isso e se alguém me falasse, diria que não iria funcionar. Nesse caso, o Dennis tem umas manhas que só o cara que é realmente especializado tem. Não estava na mixagem, que foi feita fora do Brasil, mas mandei todas as orientações. O Edu ( Falaschi, vocalista ) disse que o Dennis ficou quase três dias para tirar o som da primeira música. Depois rolaram os ajustes.



Vocês pretendem lançar um DVD desse disco novo?



Vamos gravar alguns shows ao vivo mas só no final da turnê, que é quando as músicas já estão mais “amaciadas” e também porque ainda não sabemos a reação das pessoas com relação às canções escolhidas para serem tocadas ao vivo. Com o tempo, o público já vai conhecer mais esse trabalho e vai participar mais nos shows. O nosso único DVD foi gravado na 18º apresentação da banda com a formação atual. Foi meio arriscado porque nunca tínhamos tocado juntos, e em tão pouco tempo o grupo já estava gravando o primeiro DVD. Fizemos alguns shows com as músicas de Temple... E foi demais, algumas coisas vazaram pela internet porque o disco foi lançado primeiro no Japão. Quando executamos essas canções, deu para perceber que o público quis ouvir com mais cuidado, queria ver exatamente o que estava rolando no palco. Na minha opinião esse CD vai elevar a banda um outro patamar porque como estamos há mais tempo juntos, soamos muito melhor. Naturalmente, depois de tanto tempo, individualmente cada um está tocando melhor tanto ao vivo como em estúdio. Se fosse usar uma palavra para definir o resultado desse trabalho, seria superação. Todo mundo, em todos os aspectos, conseguiu melhorar.

Comentários (2)

angelmetal
1. angelmetal 14/11/04 20:58

OLAH ... ADORU AS NOTICIAS DO ANGRA Q VC POSTA .. KURTO MUIITO ... PASSA LAH
NO MEU FLOG OK??? BJAO!!

heavymetalforlife
2. heavymetalforlife 15/11/04 0:52

Hehehe, mó estiloso de máscara. Angra é bom pra kct!!!

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.