25/01/05 - 11h:31mDenunciar

Entrevista com Edu Falaschi!



AOL - Que repercussão que vocês esperam desta turnê internacional?

Edu - A gente já sentiu o impacto do mercado estrangeiro logo depois que terminou de mixar o disco. Foi quando Rafael, Kiko e eu fomos para o Japão fazer a promoção do disco. Já naquela época, todos os críticos japoneses tinham elogiado o disco, dito que tinha superado as expectativas, que era algo inovador... Vamos levar uma produção bem grande desta vez.



AOL - Como é o dia-a-dia de vocês na estrada?

Edu - A gente é super amigo, procura sair junto no tempo que tem de sobra, ir a algum museu, conhecer a história e cultura da cidade, visitar bares legais... Mas nem sempre dá tempo. Na Europa vamos de ônibus de cidade em cidade, de país em país. E no ônibus tem tudo: cama, sala, banheiro... A sequência é mais ou menos assim: quatro shows e um dia de descanso. É pauleira!



AOL - Como foi o reconhecimento do disco aqui no Brasil?

Edu - A gente não sabia muito bem o que ia acontecer aqui. Lá fora eles adoraram, mas e no Brasil? Hoje estamos tranquilos, porque o disco já passou de 50 mil cópias vendidas. É nosso segundo disco de ouro, já que o "Rebirth" também atingiu esta marca.



AOL - O primeiro single deste disco, "Wishing Well", é uma composição sua. Como foi essa experiência?

Edu - Já componho faz tempo. Na minha primeira banda, o Mitrium, todas as músicas do primeiro disco, de 93, eram minhas. As músicas do Symbols, que era minha banda antes do Angra, também era eu quem fazia. Quando cheguei no Angra, é óbvio que já existiam dois grandes compositores [Rafael e Kiko]. Cheguei para somar. Mas desde o "Rebirth" já tenho participação na composição. Quando eu entrei na banda, tive que aprender como funcionava a estrutura, me entrosar com o trabalho deles. Fui chegando devagarinho, mostrei minhas músicas e acabei sendo bem aceito. Tanto é que "Nova Era" acabou virando o primeiro single do álbum anterior.



AOL - Abordar a religião não acabou causando discordâncias entre os fãs?

Edu - Sempre tem este tipo de coisa. Mas este não é um disco que fala sobre religião. Não estamos falando literalmente de anjos ou demônios, não é nada disso. Estamos falando sobre ignorância, intolerância, sobre radicalismos que provocam guerras, sobre aprender com os próprios erros e evoluir. Não estamos falando mal da Igreja Católica. Ela serviu como canal porque o disco é baseado numa história verídica, quando a Igreja Católica matava um monte de gente por não acreditar nos seus dogmas. Isso não é invenção nossa.



AOL - Como é o seu relacionamento com a internet?

Edu - Tenho evitado porque não tenho muito tempo. Quando uso, procuro responder meus e-mails, ver algumas coisas pessoais e, na medida do possível, respondo para os fãs. Agora, ficar entrando em fórum não dá. Tem muita besteira. Às vezes é um moleque de doze anos sem nada na cabeça querendo bagunçar e você acaba se irritando. Eu nem tenho Orkut. Na verdade tem um cara falso que diz que sou eu...



AOL - Os fãs aceitaram bem a participação especial de Milton Nascimento em "Late Redemption"?

Edu - Pensei que fosse ser mais difícil a galera aceitar. Por ser o Milton Nascimento, um cara que sobreviveu ao tempo sem apelar para nenhuma moda, ele tem um certo respeito de quem gosta de música – mesmo daqueles que curtem heavy metal. Uma das músicas mais pedidas no show é a que o Milton canta.



AOL - Como foi gravar com o Milton?

Edu - Eu e o Rafael fomos para o Rio. Gravamos no estúdio preferido do Milton. Mas o legal foi o começo da coisa toda, quando convidamos o cara. Primeiro, ele pediu para ouvir a música e depois a empresária dele nos ligou e disse que ele tinha adorado, apesar de ser heavy metal. Marcamos o estúdio, gravamos e ele foi superprofissional, atencioso... Contou bastante sobre a história da vida dele e quis saber sobre nossa vida como roqueiros, de como era nossa rotina na estrada, nossa carreira no Japão...



AOL - Aquiles Priester contou, num chat da AOL, que a idéia de convidar o Milton surgiu de uma imitação que você fez enquanto vocês compunham a música...

Edu - [Risos] Na verdade, eu brinquei. Como este trecho era em português e lembrava MPB, cantei mais ou menos no estilo dele para saber como soava. E todo mundo achou que combinava perfeitamente. Foi quando resolvemos convidar o cara.



AOL - Aquiles também contou que, no final desta turnê, vocês talvez gravem um novo DVD ao vivo...

Edu - Provavelmente. A turnê deve terminar no fim do ano e devemos fazer outro show em São Paulo, tentando trazer os artistas que fizeram participação especial no disco para tocar com a gente ao vivo. Estamos pensando em convidar todo mundo. Vamos ver se vai dar para conciliar.



AOL - Que cantores andam te impressionando?

Edu - Eu gosto muito do Jorn Lande (Masterplan) e do Roy Khan (Kamelot). Agora, nacional... Adoro Ed Motta, gosto de Marisa Monte, o próprio Milton Nascimento... Dos gringos, eu ainda gosto do Ozzy, do Bruce Dickinson, do Roger Waters (ex-Pink Floyd), do Roger Hudson (Supertramp), do Luciano Pavarotti e até da Celine Dion.



AOL - Sério?

Edu - Sim, é sério. Ela é uma puta cantora! O pessoal só lembra dela por causa do estigma do "Titanic". Mas antes já era uma grande cantora, canta pra caramba e tem uma técnica vocal impressionante.



AOL - Com o "Rebirth", vocês tiveram que provar que esta nova formação da banda era sólida e diferente da anterior. Com "Temple of Shadows", você acha que esta fase já acabou?

Edu - Com certeza! A prova está nas vendagens de discos e nos shows todos lotados. Na época do "Rebirth", todo mundo ficava comparando, foi a turnê da provação. Hoje não tem mais isso. Graças ao apoio dos fãs, tivemos mais força para fazer um disco como o "Temple of Shadows". E a prova tá aí. Em Salvador, por exemplo, fizemos um show na Conha Acústica para 5.500 pessoas. E vimos que o público do Angra hoje em dia é muito maior do que antigamente. No Nordeste, o público é muito caloroso, grita todo o tempo, canta todas as músicas... Tocamos em Manaus para umas 2000 pessoas e o público estava louco, alucinado! Tivemos que chamar segurança! Os caras queriam virar a van, brigaram para chegar perto do camarim... Foi jogo duro! [risos].

Comentários (9)

pattylk
1. pattylk 25/01/05 11:35

massa a reportagem...
a fotu tb tah massa...
falowwww

sepultura
2. sepultura 25/01/05 11:41

VALEU PELA VISITA!!!!!!!!
CONTINUE VISITANDO O FLOG DO SEPULTURA!!

mikaloka
3. mikaloka 25/01/05 11:46

Muito loka a fotim meo
tah fodastica
adoro aki
b-juz!

metalworm
4. metalworm 25/01/05 11:56

Maravilha essa foto do Edu com as Cataratas do iguaçu ao fundo,e q pta
entrevista essa! Eu particularmente,
achei fantástica a participação do
Milton em Late Redemption,tudo a ver!! Abraçuss. \../(oO)\../

psychedelic
5. psychedelic 25/01/05 11:58

caraca,a foto do adu ta *****,mas tenhu que admitir,meu irmão me enxe o *****
com essa banda o dia inteiro,eu so mais escutar um immortal rsrsrs,bem,mas
gosto é gosto e temus que respeitar rsrsrsrs,passa nu meu flog depois

daniele
6. daniele 25/01/05 12:47

ar...
ele eh lindo!!!!

lele666
7. lele666 25/01/05 14:01

ola..
simplesmente perfeito seu flog...
ja ta add....
e muito ***** a entrevista...
b-jinhos
xau

makebelieve
8. makebelieve 25/01/05 15:11

o edu fala bem... é humilde...
;D

kangelscry
9. kangelscry 26/01/05 0:22

o Edu é uma simpatia só !!
passsa no meu flog qdo puder e me favorita tb ! bjos

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.