04/08/04 - 10h:52mDenunciar

ANGRA

Rafael Bittencourt (Guitarra) * Aquiles Priester (Bateria) * Edu Falaschi (Vocal) * Felipe Andreoli (Baixo) * Kiko Loureiro (Guitarra)



Sejam Bem Vindos ao Flogão do ANGRA!!!



Primeiríssima foto deste flog que será totalmente dedicado à banda ANGRA e ao seu canal do mIRC, #Angra.



Após o reconhecimento no mundo todo obtido pelos mineiros do Sepultura, coube ao Angra consolidar o nome de nosso país na cena metálica mundial. Angra quer dizer “deusa do fogo” na mitologia tupiniquim, além de significar uma pequena enseada ou baía usada como porto natural. Em inglês também é um nome forte, se assemelhando a Angry (bravo, zangado). O Angra foi formado em 1992 na capital paulista, com o ex-Viper André Matos (vocal) e seus novos companheiros Kiko Loureiro (guitarra), Rafael Bittencourt (guitarra), Luís Mariutti (baixo) e Marco Antunes (bateria).

Com um ano de ensaio, o quinteto já lança sua primeira demo tape, intitulada Reaching Horizons. Em 1993, o Angra teve oportunidade de gravar seu primeiro CD, Angels Cry. A banda embarca para a Alemanha, sem o baterista Marco Antunes, que acabara de deixar o grupo. Com isso, o experiente Alex Holzwarth (Sieges Even, Rhapsody) assume as baquetas durante as gravações. O debut mostrou o metal com melodia, técnica e influências clássicas praticado pelo Angra para o mundo, e obteve ótima repercussão. Sem perder tempo, Ricardo Confessori é chamado para o posto de baterista. Durante o ano de 1994, a banda excursiona pelo Brasil, com destaque para sua apresentação no festival Monsters of Rock em São Paulo, onde tocou ao lado de bandas como Viper, Dr. Sin, Black Sabbath, Kiss, entre outras. O EP Evil Warning é lançado.

No ano seguinte, o Angra inicia as gravações de seu segundo álbum, Holy Land, produzido pelas feras Sascha Paeth e Charlie Bauerfeind. Mais do que um simples disco de heavy metal, o Holy Land acaba sendo uma obra de grande expressão artística, misturando diversas influências, e acaba chamando muita atenção no mundo todo, rendendo à banda seu primeiro disco de ouro no Japão, além de turnês muito bem sucedidas em diversos países da Europa. Como conseqüência disso, em 1997 é lançado o EP Holy Live, com quatro faixas ao vivo gravadas em Paris. O mini-álbum Freedom Call também chega às lojas, fazendo muito sucesso entre os fãs, trazendo um cover para “Painkiller” do Judas Priest, além de outras faixas inéditas. Enquanto isso, no Brasil o vídeo de "Make Believe" era sucesso absoluto na MTV.

No ano de 1998 o Angra entra em estúdio com o produtor Chris Tsangarides (Helloween, Judas Priest). A banda antecipa seu próximo álbum com o single Lisbon, contendo três músicas, porém apenas a faixa título como inédita. O álbum completo, intitulado Fireworks, sairia dois meses depois, trazendo um Angra mais direto, num heavy metal mais simples e pesado, e chamou atenção pela bela capa, assinada pela artista portuguesa Isabel De Amorim, que voltaria a trabalhar com a banda no álbum seguinte.

Quando tudo parecia perfeito, uma notícia cai como uma bomba: André, Luis e Ricardo estavam fora do Angra. O futuro parecia incerto, e alguns apostavam no fim da banda, mas em 2001 a banda renasce, totalmente reformulada. Edu Falaschi (vocal – Symbols), Aquiles Priester (bateria – Hangar) e Felipe Andreoli (baixo – Karma) passam a fazer parte do novo Angra, e o novo time não demora a soltar uma nova música aos fãs, com o EP Acid Rain. Em outubro do mesmo ano acontece o lançamento mundial do álbum Rebirth, que colocou novamente o Angra em evidência. Rebirth contou com a produção de Dennis Ward (Pink Cream 69) e foi muito bem recebido pela grande maioria dos fãs. A partir de então, a banda partiu numa extensa turnê brasileira, tocando em diversas cidades pela primeira vez em sua carreira. No dia 15 de dezembro, o Angra lota a Via Funchal (casa de shows paulistana) e grava sua apresentação para um futuro lançamento em Dvd. Neste mesmo show, o Angra recebe disco de ouro pela marca de 50 mil cópias vendidas no Brasil. Em menos de dois meses, Rebirth já tinha atingido o expressivo número de 100 mil cópias vendidas em todo o mundo.

Depois de participar de inúmeros programas de rádio e TV brasileiros, o Angra finalizou a edição do vídeo clipe parta a música "Rebirth". A banda parte então para uma bem sucedida turnê européia, e em maio de 2002 foi lançado o mini-álbum Hunters And Prey. O disco conta com oito músicas e mais uma faixa interativa. Aqui encontra-se a primeira composição do Angra em português, uma versão da música “Hunters And Prey”, que recebeu o título de “Caça e Caçador”.

No segundo semestre, o Angra participou de dois dos principais festivais de verão europeus. O grupo tocou no dia 27 de julho no Rock Machina, na Espanha, e, no dia 2 de agosto, no tradicional Wacken Open Air, na Alemanha. Na volta, a banda prosseguiu em sua maratona de shows, se apresentando em outros países sul-americanos como Equador e Colômbia. Em novembro, a banda se apresentou pela primeira vez nos Estados Unidos e no Canadá. Em dezembro do mesmo ano, chega às lojas o CD ao vivo e o DVD "Rebirth World Tour - Live In São Paulo", marcando o encerramento da turnê mundial, que totalizou mais de 100 shows realizados no Brasil, América Latina, América do Norte, Europa e Ásia.

Logo em seguida a banda iniciou o processo de composição para o novo álbum. Em dezembro, quando o produtor Dennis Ward veio ao Brasil, foi dada a largada para uma verdadeira maratona de trabalho, iniciada com a pré-produção. A partir das várias idéias disponíveis, as melhores composições foram escolhidas para fazer parte do álbum e o grupo passou então a ensaiá-las exaustivamente, preparando-se para entrar em estúdio.

A fim de obter a atmosfera mais confortável possível, a banda decidiu por gravar a quase totalidade do disco no Brasil. Dessa forma, logo após os feriados de fim de ano, o Angra e seu produtor entraram em estúdio para trabalhar por quase dois meses colocando em prática algumas idéias diferentes para otimizar o processo de gravação, como, por exemplo, gravar as partes de baixo após as bases de guitarra. As atividades ganharam um intervalo para que Dennis retornasse à Europa para sair em turnê com sua banda, o Pink Cream 69, em março e abril, sendo retomadas posteriormente com a gravação de vozes, guitarras, teclados etc.

Como novidade, desta vez a banda chamou alguns convidados especiais para enriquecer ainda mais o disco, como Milton Nascimento, Kai Hansen (Gamma Ray), Sabine Edelsbacher (Edenbridge) e Hansi Kürsch (Blind Guardian), entre outros. Como já havia sido feito em Holy Land e no aclamado Rebirth, este é mais um trabalho conceitual com tema criado por Rafael Bittencourt e no qual as letras das músicas possuem uma forte conexão entre si.

O disco se chama "Temple Of Shadows" e conta a história de um cavaleiro cruzador, chamado The Shadow Hunter, que, em pleno século XI, passa a questionar os ideais da Igreja Católica. Toda a saga de The Shadow Hunter, começando com essa mudança na sua forma de pensar, passando pela criação de uma nova ordem reformadora e abrangendo os vários episódios que isso acarreta ao longo de sua vida, é contada através das músicas, sendo que cada uma delas narra um capítulo de sua história.

O álbum foi concluído em meados de julho, no estúdio House Of Audio, localizado na Alemanha, onde, sob o comando de Dennis Ward, aconteceram as gravações de voz e a mixagem. Em seguida, Kiko, Rafael e Edu foram para o Japão a fim de divulgar o disco através de entrevistas e miniapresentações acústicas.

Ousado, original, arrojado, tecnicamente impecável e, ao mesmo tempo, mantendo as características básicas do Angra, Temple Of Shadows traz o lado mais pesado e moderno da banda em músicas como Spread Your Fire, Angels and Demons, No Pain For The Dead, Late Redemption, Waiting Silence etc.

A expectativa em relação a "Temple Of Shadows" é cada vez maior e seu lançamento mundial esta marcado para o dia 08 de Setembro. Agora só nos resta aguardar por mais um lançamento desta grande banda que, a cada álbum, enche os brasileiros de orgulho!

Comentários (0)

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.