02/10/04 - 00h:22mDenunciar

British Aerospace Harrier II

A primeira aeronave a ter sucesso em operações de decolagem e pouso na vertical (VTOL - Vertical Takeoff and Landing). Como consome muito combustível nessas operações, especialmente quando muito armado e pesado, os pilotos de Harrier costumam iniciar a decolagem com a corrida convencional até adquirir uma determinada velocidade onde certa sustentação é alcançada para ser capaz de reduzir o trabalho dos motores na subida. Além disto, os bocais direcionais de empuxo quando na posição de vôo pairado (90º) precisam ser resfriados à água e como o reservatório tem uma quantidade limitada, o vôo estacionário é possível por aproximadamente 90 segundos. Os dutos auxiliares de entrada de ar se abrem quando a velocidade da aeronave é baixa ou nula, tendo como função ajudar a admissão de ar para a turbina e consequentemente a geração de empuxo. As fitas de baixa visualização são muito úteis durante os vôos em formação noturnos. Elas ficam espalhadas em posições estratégicas na aeronave e emitem um pequeno feixe luminoso que permite às aeronaves muito próximas vê-las como referência posicional (especialmente quando se utiliza equipamento de visão noturna como o NVG - Night Vision Googles ou Óculos de Visão Noturna) para a formação e ao mesmo tempo não é forte à ponto de indicar a posição da aeronave ao inimigo num campo de batalha. O FLIR (Foward Looking Infra Red - Visão Frontal por Infra Vermelho) é muito útil para encontrar e designar alvos terrestres, especialmente em más condições meteorológicas e/ou de baixa visibilidade. Vocês podem ainda ver descrições mais detalhadas destas e de outras muitas partes no artigo .


Foto de Mauro Caruana, de JetPhotos.net

Comentários (0)

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.