8/09/10 19:05Denunciar

Caso Bruno

Bruno Fernandes das Dores de Souza, mais conhecido como Bruno (Ribeirão das Neves, 23 de dezembro de 1984), foi um futebolista brasileiro que atuava como goleiro. É contratado pelo Flamengo, estando atualmente afastado do clube e detido aguardando julgamento devido ao inquérito criminal que investiga sua participação no sequestro e assassinato de Eliza Samudio, modelo com quem se envolveu. Revelado pelo Atlético Mineiro, Bruno somente fez sua estreia, durante o Campeonato Brasileiro de 2005, graças a uma interessante associação de fatos: a suspensão de Danrlei, o goleiro titular, somada à ausência de Diego, o goleiro reserva imediato, que havia sido convocado para a Seleção Brasileira de Futebol Sub-20. A partir daí, foi eleito o segundo melhor goleiro da Revista Placar. O destaque logo atraiu a atenção de outros clubes e, em 2006, deixou o Atlético para ir jogar no Corinthians. Todavia, acabou não se entendendo com a diretoria do novo clube e sequer chegou a vestir a camisa do time. Então, após alguns meses de inatividade, seu passe, que pertencia a Media Sports Investment (MSI), foi oferecido ao Flamengo. À época, a sorte voltou a ajudar a sua carreira, uma vez que sua chegada havia coincidido com a contusão do goleiro Diego. Daí, em virtude de suas boas atuações, Bruno não mais deixou a vaga de titular pelo restante de 2006. Manteve a condição de goleiro titular do Flamengo no início ano seguinte, porém, mesmo com todo seu enaltecimento pela mídia, passou a oscilar entre bons e maus momentos. Todavia, na decisão do Campeonato Carioca de 2007, ao defender dois pênaltis (na disputa por pênaltis) que garantiram o título ao Flamengo, em cima do Botafogo, passou à condição de ídolo da torcida. Valorizado, a MSI tentou, a todo custo, negociá-lo com o mercado europeu, o que acabou gerando certa insatisfação, entre os dirigentes rubro-negros. Barrado do time titular, Bruno somente voltou a vestir a camisa 1 após ser acertada sua permanência no Flamengo. Em 2008, a fim de evitar os mesmos problemas ocorridos no ano anterior, o Flamengo decidiu investir pesado em Bruno, comprando mais de 90% de seus direitos econômicos. No Campeonato Carioca de 2009, a história de dois anos antes se repetiu, e Bruno foi o grande responsável pela conquista do tri-campeonato pelo Flamengo, defendendo um pênalti no tempo normal e dois na disputa de pênaltis, na final contra o mesmo Botafogo. Bruno começou a treinar cobranças de faltas e de pênaltis na Gávea, revelando-se também como um goleiro-artilheiro. Seu primeiro gol marcado aconteceu em uma partida da Libertadores da América de 2008, quando o Flamengo enfrentou, no Maracanã, o Coronel Bolognesi. A partida estava difícil para o Flamengo até que Bruno marcou um gol. Posteriormente, Bruno marcou mais três gols, tornando-se o goleiro que mais marcou gols na história do Flamengo, superando Ubirajara e Zé Carlos.

O caso Eliza Samudio refere-se aos acontecimentos que envolveram o desaparecimento da modelo e atriz Eliza Silva Samudio. Durante as investigações, uma testemunha relatou aos investigadores do caso que a moça teria sido morta por estrangulamento. Em seguida, o cadáver teria sido esquartejado e enterrado sob uma camada de concreto.O caso obteve repercussão nacional e internacional. Eliza Silva Samudio (Foz do Iguaçu, 22 de fevereiro de 1985 - Esmeraldas, 9 de junho de 2010?) filha do arquiteto Luiz Carlos Samudio[5] e da agricultora Sônia Fátima Moura. Seus pais viveram juntos em Foz do Iguaçu por um ano. Frequentemente agredida pelo marido, Sônia Fátima acabou deixando Luiz Samudio e não pôde ficar com a filha, que tinha só 6 meses. Desde então, Sônia vive no Mato Grosso do Sul, onde se casou há dezesseis anos e teve um filho. Com seu marido, explora uma pequena propriedade agrícola de produção de pimenta. Ao completar dez anos, Eliza foi morar com a mãe, em Campo Grande, onde permaneceu por um ano, voltando então para a casa do pai. Quando Eliza desapareceu, Sônia não via sua filha há seis anos e se comunicava com ela apenas por telefone. Desde os 13 anos Eliza sonhava sair da cidade natal para tornar-se modelo no eixo Rio-São Paulo, o que fez aos dezoito anos, mudando-se para a capital paulista. O advogado Jader Marques, confirmou em entrevista que Eliza fez pequenas aparições em filmes pornográficos, entre 2005 e 2009, além de participar de películas para a produtora erótica Brasileirinhas. Segundo testemunhas, Eliza e Bruno já se conheciam pelo menos desde 2008. Bruno, entretanto, afirma que conheceu Eliza em maio de 2009, num churrasco, no Rio de Janeiro. Em agosto, Eliza anuncia publicamente estar grávida, atribuindo a paternidade ao atleta. O bebê nasceu em 10 de fevereiro de 2010, mas Bruno recusou-se a reconhecê-lo como seu filho.Eliza ingressou, então, com uma ação de reconhecimento de paternidade, depois de chegar a morar com o filho na capital fluminense, em hotéis pagos por Bruno. Em 4 de junho deste ano, ela acede a um convite para ir até Esmeraldas, Minas Gerais, atendendo ao atleta, que surpreendera os advogados da ação, uma vez que parecia disposto a negociar um acordo. A modelo desaparece, então. Em 13 de outubro de 2009 a modelo prestou queixa à polícia dizendo que, na véspera, teria sido mantida em cárcere privado pelo goleiro e seus amigos "Russo" e "Macarrão", e obrigada a tomar substâncias abortivas. Também acusou os dois de tê-la espancado. O Instituto Médico Legal do Rio de Janeiro e a polícia daquele estado somente concluiriam os exames periciais em julho de 2010,quando o desaparecimento da modelo já era tratado como homicídio. Proibido pela delegada Maria Aparecida Mallet, da Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher (Deam) de Jacarepaguá, de se aproximar da modelo por menos de 300 metros, o goleiro divulgou uma nota na qual negava a agressão
“Não é a primeira vez que ela inventa esse monte de mentiras para tentar me prejudicar. Da outra vez não provou nada e não vai provar novamente, porque inventou essa história toda. Chegou ao ponto de, ontem, enviar e-mail para algumas redações de jornais do Rio dizendo que faltei ao treino do Flamengo porque estava com ela. Mas eu compareci tanto aos treinos da manhã quanto da tarde, conforme todos os jornalistas presentes puderam confirmar.
Por isso tudo decidi que só vou me manifestar através do meu advogado, que irá tomar todas as medidas cabíveis para impedir que ela continue tentando me prejudicar. Ela não se conforma porque já deixei claro que não quero nenhum tipo de relacionamento com ela. Não vou dar a essa moça os 15 minutos de fama que ela tanto deseja.”
A despeito disto, em 2009 a juíza Ana Paula Delduque Migueis Laviola de Freitas, responsável por atender ao pedido de proteção solicitado, negou-o, argumentando que Eliza não tinha relacionamento íntimo com o goleiro, e que a moça estava a "tentar punir o agressor" (Bruno Fernandes), "sob pena de banalizar a finalidade da Lei Maria da Penha" A juíza então encaminhou o caso para uma vara criminal. Em sua decisão, asseverou que a Lei Maria da Penha "tem como meta a proteção da família, seja ela proveniente de união estável ou do casamento, bem como objetiva a proteção da mulher na relação afetiva, e não na relação puramente de caráter eventual e sexual". Não considerou a condição de Eliza, grávida de cinco meses Em comunicado divulgado em 2 de julho, a Polícia revela os encaminhamentos só então dados ao exame toxicológico
O Departamento Geral de Policia Técnico Cientifica da Policia Civil do Rio de Janeiro (DGPTC) informa que foi encontrado um grupamento de substâncias consideradas abortivas na urina de Eliza Samudio. Os peritos que analisaram o material colhido decidiram, dada a complexidade do caso, mandar o material para o laboratório da UFRJ, com o qual a Polícia Civil mantém convênio a fim de confirmar 100% a análise feita pelos mesmos, excluindo qualquer possibilidade de tal grupamento pertencer a outros compostos. Segundo os peritos, a tal mistura também pode ser encontrada inclusive no consumo simultâneo de bebidas alcoólicas com fumo. Segundo o DGPTC, o resultado final ficará pronto na próxima segunda-feira, dia 5 de julho.
Diante do descaso da polícia na investigação das agressões inicialmente sofridas pela modelo, declarou Maria da Penha: "O Estado tem que responder. Ele foi negligente com o pedido de socorro dessa mulher”
Em 26 de junho de 2010, a Polícia Civil de Minas Gerais declarou suspeito o goleiro Bruno Fernandes , por conta do desaparecimento da ex-amante, a paranaense Eliza Samudio, que tentava provar na Justiça que ele é o pai do filho único dela, à época com 4 meses de idade. Eliza afirmou em depoimento que vinha sendo ameaçada pelo goleiro depois que contou que estava grávida em 2009, e que foi forçada a tomar remédios abortivos, foi sequestrada, espancada e teve uma arma apontada em sua cabeça, pelo próprio Bruno. Bruno é casado com Dayanne Rodrigues do Carmo Souza e com ela tem dois filhos. Ela também é investigada, como alguns amigos de Bruno, inclusive seu carro foi periciado e sangue foi encontrado nele. Segundo relatos de Bruno, ele conheceu Eliza e manteve relações sexuais com ela numa orgia na casa de um outro jogador do Flamengo. Bruno disse que o preservativo rompeu no ato sexual . O goleiro afirmou que festas desse tipo são comuns entre os jogadores de futebol. De acordo com as investigações policiais, Eliza estava, antes de desaparecer, no sítio do jogador em Esmeraldas, interior de Minas Gerais, por um pedido dele, já que ela passou a gravidez em São Paulo na casa de amigas e chegou a morar em hotéis no Rio, pagos por Bruno. Ela ainda tinha esperança de reatar o relacionamento com o goleiro. Bruno diz que ela desapareceu porque quis e abandonou a criança com um colega seu. O menino foi achado numa favela de Ribeirão das Neves e Dayanne é suspeita de tê-lo deixado lá. A mãe de Eliza pediu a guarda da criança, o que foi concedido pela Justiça. O pai de Eliza está pleiteando, na Justiça, a guarda do neto e o reconhecimento da paternidade por Bruno. Em 6 de julho de 2010, um jovem de 17 anos, primo do goleiro, foi encontrado na residência de Bruno na Barra da Tijuca e afirmou ter dado uma coronhada em Eliza, que desacordada, teria sido levada para Minas Gerais, e lá esquartejada por traficantes a mando do goleiro e dada a cachorros da raça rottweiler que teriam dilacerado seu corpo; os ossos da modelo teriam sido concretados. Essa versão ainda não foi confirmada pela Polícia. Em 8 de julho de 2010, o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Neném, Paulista ou Bola, e acusado de matar Eliza Samúdio, foi preso pela Polícia Militar de Minas Gerais

Paralelamente às investigações sobre o desaparecimento de Eliza Samudio, a jovem de 25 anos que tentava provar na Justiça que tem um filho com o goleiro Bruno, do Flamengo, vêm à tona passagens nada edificantes da vida particular do atleta. E é melhor tirar as crianças da sala. A postura fora do campo e os hábitos - principalmente os noturnos - do suspeito número 1 do sumiço de Eliza deixam os fã do esporte, no mínimo, decepcionados. E, infelizmente, como atesta quem acompanha de perto o mundo do futebol, Bruno está longe de ser uma exceção.
Como descreve o próprio goleiro, em entrevista a VEJA desta semana, ele e Eliza se conheceram em uma festa que era “uma orgia só”. “Essas festas são comuns no nosso meio”, garante, para deixar claro que o que fazia naquela noite não está fora dos padrões para jogadores. O churrasco, ou “orgia”, foi promovido na casa de outro jogador, o também goleiro Paulo Victor.
Quase um ano antes de conhecer Eliza, Bruno tinha se envolvido em outra confusão, em uma festa regada a muita bebida e repleta de mulheres, organizada por ele próprio no sítio que, agora, é apontado como local onde a jovem teria sido espancada e morta. A festa tornou-se pública depois que duas garotas registraram queixa por agressão contra os jogadores Marcinho, Diego Tardelli e... Paulo Victor.
Jogadores que acompanharam de perto a trajetória de Bruno o descrevem como alguém “explosivo”. O histórico dessas explosões inclui uma discussão com um torcedor do Cruzeiro, em 2006, quando o atleta ainda buscava afirmação no Atlético-MG. Dois anos depois, já consagrado no Flamengo, bateu boca com outro torcedor do time rival - desta vez, do Fluminense - num McDonald’s.

Em 14 de abril deste ano, sobrou para um colega de equipe: no intervalo do jogo entre Flamengo e Universidad Católica do Chile - vencido por 2 a 0 pelo time chileno - pela Libertadores, o goleiro e capitão rubro-negro deu um empurrão em Petkovic, cobrando empenho do meia sérvio. As confusões dentro do clube também incluem um atrito com um dos maiores ídolos da torcida rubro-negra, o ex-jogador Andrade. Na época, Andrade era auxiliar-técnico do time, e o goleiro se irritou com sua atuação como árbitro de um rachão. Os dois trocaram palavras duras, Andrade acabou chorando e, no jogo seguinte, a torcida vaiou Bruno e gritou o nome do velho ídolo. Irritado, Bruno chegou a declarar: “Se eu sou o problema, a janela do meio do ano está aí. É só me mandar embora. Não quero atrapalhar o Flamengo” _ disse, referindo-se ao período em que geralmente são negociadas contratações e a venda de passes de jogadores com times da Europa.
“Ele tem um temperamento forte, é explosivo, às vezes fala antes de pensar”, ameniza Andrade. Falar sem pensar, no entanto, pode sair caro para uma figura pública. Há cerca de dois meses, quando o atacante Adriano, ainda no Flamengo, e sua ex-noiva, Joana Machado, brigaram na Favela da Chatuba, na zona norte do Rio, Bruno defendeu o amigo e perguntou: “Quem nunca saiu na mão com a mulher?”. Arrependido, foi à sala da presidente do clube, Patrícia Amorim, e beijou sua mão, afirmando que não era bem aquilo que queria dizer. No meio das investigações, a frase foi lembrada pelo chefe do Departamento de Investigações da Polícia Civil de Minas Gerais, Edson Moreira, que comanda as investigações sobre o sumiço de Eliza. “Ainda não chegou o momento de chamar o Bruno para depor. No momento, estamos reunindo indícios. Que ele bate em mulher nós já sabemos. Queremos agora saber mais”, disse Moreira.


Cronologia do caso

• 2008 ou início de 2009 - Bruno, casado, conhece Eliza em um churrasco no Rio de Janeiro. Os dois começam um relacionamento extra conjugal.
• 21 de Maio de 2009 - Eliza engravida.
• Outubro de 2009 - Grávida de cinco meses, Eliza registra queixa contra Bruno, na DEAM - Delegacia Especializada de Atendimento a Mulher de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, por tentativa de sequestro, agressão e ameaça. Bruno nega ter cometido qualquer desses delitos. Após o episódio, a polícia pediu medidas protetoras que impediam o goleiro de se aproximar mais de 300 metros de Eliza e de sua família. Bruno passou a ser investigado criminalmente. Eliza foge para São Paulo e ficou na casa da mãe de uma amiga.
• 10 de Fevereiro de 2010 - Nasce o filho de Eliza. Bruno não reconhece a paternidade. Segundo o advogado Jader Marques, advogado do pai de Eliza, ela move um processo na Justiça para Bruno reconhecer a paternidade do filho e pagamento da pensão.
• 4 de junho 2010 - É o último contato feito pela família segundo o advogado Jader Marques. Amigas de Eliza contam que ela iria até Minas Gerais para conversar com Bruno, a pedido dele. A partir daí, ela não entra em contato com ninguém.
• 9 de junho de 2010 - Eliza é supostamente assassinada por Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola"
• 24 e 25 de junho de 2010 - Pelo 181 (Disque-denúncia), a polícia recebe denúncias que Eliza teria sido agredida, morta, suas roupas teriam sidas queimadas e o corpo ocultado em um sítio do atleta Bruno em Esmeraldas, Minas Gerais. Desde então o sítio é vigiado.
• 25 de junho de 2010 - Dayane de Souza, mulher de Bruno presta depoimento junto com dois funcionários do sítio. Dayane é atuada e detida por subtração de incapaz e depois liberada.
• 26 de junho de 2010 - O filho de Eliza é encontrado pela policia na madrugada do dia 26 na Região Metropolitana de Belo Horizonte.
• 27 de junho de 2010 - Pai de Eliza, Luiz Carlos Samudio, vai para Contagem, MG buscar o neto que estava em um abrigo. Policiais militares e bombeiros tentaram entrar no sítio mas não conseguem pois não conseguiram um mandado judicial.
• 28 de junho de 2010 - Luiz Carlos Samudio volta para Foz do Iguaçu com o neto. A policia faz buscas no sítio do goleiro em busca do corpo de Eliza. Foram encontradas roupas de mulher, objetos de criança além de fraldas.
• 2 de julho de 2010 - Sônia Fátima Moura, mãe de Eliza pede a guarda do neto. Peritos examinam um carro do atleta do Flamengo, que tinha sido apreendido em uma blitz em junho, porque os documentos estavam irregulares. Segundo a polícia vestígios de sangue de Eliza foram encontrados no veículo
• 5 de julho de 2010 - A polícia recebe uma denuncia, dizendo que o corpo da vitima foi jogado em uma lagoa em Ribeirão das Neves, Minas Gerais.
• 6 de julho de 2010 - Um menor de 17 anos, que foi apreendido no apartamento do Bruno, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro, depõe na Delegacia de Homicídios da Barra da Tijuca. Ele afirma que participou do seqüestro da ex-amante do jogador, e deu coronhadas na vitima. Nas quatro páginas de inquérito em que relatam um crime atroz, Eliza teve os braços amarrados com uma corda e foi estrangulada por Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como bola, um ex-policial. Ainda segundo o menor ouvido pela polícia, após ter estrangulado Eliza, Bola pediu para que todos deixassem o local. Depois, seguiu em direção a um canil, carregando um saco que supostamente continha o cadáver esquartejado de Eliza. Ainda segundo o adolescente, a mão de Eliza foi jogada para cachorros da raça Rottweiler.
• 7 de julho de 2010 - A prisão preventiva de Bruno e de mais sete pessoas foram expedidas pela Justiça de Minas. O mandado de internação do jovem que prestou depoimento no dia 06 de julho. A Justiça de Rio de Janeiro também havia expedido a prisão preventiva para Bruno e Luiz Henrique Romão, conhecido como Macarrão pelo sequestro e cárcere privado de Eliza Silva Samúdio, em outubro de 2009. Bruno e Macarrão se entregam à polícia no Rio de Janeiro. Ambos foram levados para Polinter do Andaraí. Antes das 14h30, os dois foram levados ao Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu. Segundo a Secretaria de estado de Administração Penitenciária (Seap), Bruno e Macarrão estão na Penitenciária Alfredo Tranjan Bangu 2. Policia mineira pede a transferência imediata de Bruno e Macarrão para Minas. A 38ª Vara Criminal do Rio atendeu ao pedido e determinou na tarde de quinta-feira a transferência do goleiro Bruno e seu amigo Luiz Henrique Romão, também conhecido como Macarrão, para Minas Gerais.
• 8 de julho de 2010 - Mãe de Eliza consegue a guarda provisória na Justiça do neto de 4 meses. A criança estava na casa do avô materno em Foz do Iguaçu.
• 9 de julho de 2010 - Bruno e os outros suspeitos no desaparecimento de Eliza Samudio são mantidos presos na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, Região Metropolitana de Belo Horizonte. Os presos estão em celas isoladas, de 6m² e sem comunicação entre elas.
• 30 de julho de 2010 - O inquérito é entregue. Bruno, Macarrão, Bola e mais seis pessoas são indiciadas

Comentários (3)

portalunderground
1. portalunderground 8/09/10 20:26

NÃO PERCAM:

CIRCUITO ALTERNA SOM - DIA 11
CHURRASCÃO DA AMMEM- DIA 18

PASSE NO PORTAL PARA SABER MAIS.
FIQUE POR DENTRO E PARTICIPE DAS MOVIMENTAÇÕES.

sothc
2. sothc 8/09/10 20:47

ta fudido
si fudeu foi feio

saturniness
3. saturniness 12/09/10 9:54

Se ferrou!

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.