26/03/17 14:13Denunciar

"O TELEFONEMA".


"O TELEFONEMA".

Já alta madrugada, e fazia muito calor; farto de olhar para o horizonte, da janela do meu quarto, e nada além de uma constelação, que preguiçosamente piscava, vez ou outra a luz de um barco que transitava na orla, e eu ali com insônia; e dividindo a solidão comigo mesmo.
Do meu lado o violão, mas eu não tinha vontade de tocar, talvez eu não quisesse perturbar o sono alheio, que não tinha nada a ver com a minha falta de vontade de dormir; caminho descalço pelo quarto... E volto para aquela mesma janela, para olhar para o mesmo horizonte, ver as mesmas coisas que vi antes.
Quando toca o telefone... Era engano, mas era a voz de uma mulher, que passava-me, uma tristeza na voz, ou procurava algo... Naquela noite vazia.
Vazia para mim... Ou para ela talvez, mas começamos a falar, e começamos a chorar as mágoas um para o outro, e a cumplicidade foi aumentando, na medida em que revelávamos as nossas mágoas, os nossos sonhos... As nossas desilusões; os minutos foram passando, e as horas também, e a intimidade foi crescendo, até chegou a um ponto... Que parecia que nos conhecíamos havia décadas, trocamos nuúeros de telefone, nome, gestos e costumes; até aparecer a surpresa maior... A surpresa que tivemos, foi na hora de passarmos endereços... Um pro outro; ela morava no andar de baixo, cujas janelas dela ficavam debaixo das minhas; e o seu endereço era o meu, pois ela morava no mesmo prédio que eu, a diferença era o andar.
A vida às vezes nos prega umas peças, sorte quando a surpresa é boa; que é o que nem sempre acontece.
Já era quase manhã de um domingo, eu visto uma roupa e desço a escada, e a encontrei na porta do seu apartamento... Esperava por mim.
O meu coração bateu forte quando a vi, e senti que era recíproco; pegamos o elevador e saimos para a rua; mas por ironia do destino começa a chover.
Retornamos ao prédio, e no apartamento dela esperamos amanhecer.
Foram dias de ternuras, foram noites de completo esquecimento, foram noites de prazer.
Agora estamos aqui, de cabelos esbranquiçados, com sonhos realizados, e olhando para aquele horizonte, para aquela constelação piscante... Esperando o que há de vir... E o que poderá acontecer.


Antonio Hugo.

poetaderua não permite ver os comentários desta foto.

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.