21/04/06 - 23h:48mDenunciar

MAESTRO LOBO DE MESQUITA (Serro, 1746 - RJ, 1805)


A opulência do Barroco não se limitou apenas às artes plásticas e à literatura, estendendo-se também a uma rica produção musical, a mais importante do período colonial brasileiro.

E Minas foi um dos estados brasileiros onde mais surgiram mestres e talentos musicais, neste período. Tendo vivido em meio a vários destes mestres - muitos dos quais ainda não apresentados ao grande público - José Joaquim Emérico Lobo de Mesquita é hoje reconhecido por muitos como o maior compositor sacro deste período. Mulato, nascido na Vila do Príncipe do Serro Frio, em 12/out/1746, e batizado na Igreja de N. S. da Purificação, era filho do português Joseph Lobo de Mesquita e da escrava Joaquina Emerenciana, liberta no batismo.

Os estudiosos são unânimes em considerá-lo "acima da média" e alguns o comparam a Mozart, com uma obra à altura dos maiores compositores universais, mesmo vivendo longe dos grandes centros culturais do mundo e tendo que aprimorar quase sozinho os seus conhecimentos.

Iniciou seus estudos de música e de latim com o Padre Manuel da Costa Dantas, mestre-de-capela da igreja Matriz da Vila do Príncipe (espécie de maestro). Foi músico da tropa paga da capitania (terço da Cavalaria dos Homens Pardos), com a patente de Alferes, organista admirável de Irmandades Religiosas e professor particular de música.

Parece ter-se mudado para o arraial do Tijuco por volta dos seus 30 anos. Foram encontradas partituras e registros de sua atuação no Tijuco ( 1778-1798 ), nas igrejas Matriz de Santo Antônio, do Carmo e das Mercês.

Em Vila Rica (1798-1800), para onde se mudou posteriormente, contratado como regente, atuou pela Irmandade do Santíssimo Sacramento, na Matriz de N. S. do Pilar, e pela Ordem Terceira do Carmo.

Mas, um talento daquele quilate não poderia viver muito tempo distante da capital da colônia. Em 1801, Lobo de Mesquita já era organista da Ordem Terceira do Carmo, no Rio de Janeiro, onde continuou sua rica produção. Morreu poucos anos depois, em 30/04/1805. Entre diversos discípulos, deixou a organista cega Ana Maria dos Santos Mártires.

O pesquisador Francisco Curt Lange, descobridor dos documentos que reapresentaram o músico ao mundo moderno, calcula que ele deve ter escrito acima de 500 obras. Estão salvas cerca de 60 obras de sua autoria, entre as quais "Padre Nosso", "Ave Maria", "Missa Grande em Mi Bemol", "Regina Coeli Laetare" (1779), "Gloria Patri", "Difusa est Gratia", "Dominica in Palmis" (1782), "Gradual para o Domingo da Ressurreição", "Missa Grande" (mi bemol) e uma extraordinária "Antíphona de Nossa Senhora" (1787) que, segundo especialistas, o eleva à categoria de gênio.

Para Curt Lange, "sua escrita é clara, cuidada, vigorosa, sem recorrer a inúteis complexidades harmônicas ou rítmicas. As vozes do coro e da orquestra dialogam alternadamente; os instrumentos trabalham sempre aos pares, geralmente em terças paralelas, sendo raros os momentos em que um dos elementos do par sobressaia como solista. Por outro lado, a voz solista frequentemente dialoga com o coro e com os instrumentos a fim de contrapor maior ou menor massa sonora".

Várias de suas partituras foram restauradas pela FUNARTE, pelo Museu da Música de Mariana/MG e outras instituições musicais. Muitas gravações têm se realizado, para popularizar e perpetuar os frutos do seu talento. Atualmente, além de estar incluída nos repertórios de importantes festivais e grupos musicais do Brasil (corais e orquestras), sua obra tem sido executada em diversos países, recebendo, a cada dia, maior reconhecimento.


- Foto: O Coral BDMG executa músicas de Lobo de Mesquita na Igreja do Carmo, no Serro, cidade onde o Maestro aprendeu os primeiros acordes musicais, deu os passos decisivos de sua carreira e viveu por volta de 30 anos.

- Música: "Ladainha em Si bemol maior, I. Kyrie", de José Joaquim Emerico Lobo de Mesquita

Fonte: "GUIA DO SERRO"


VER REPORTAGEM:
"ACERVO DE LOBO DE MESQUITA É PATRIMÔNIO DA HUMANIDADE"




Se você quer ter todas as informações deste Flogão em livro, pode pedir o "GUIA DO SERRO". É só entrar no link:GUIA DO SERRO


O Serro tem tudo isto e muito mais. VEJA MUITO MAIS COISAS SOBRE O SERRO NA PÁGINA INICIAL DESTE SITE: GUIA DO SERRO




A NATUREZA, A ARQUITETURA E OS BENS CULTURAIS DO SERRO TAMBÉM SÃO SEUS. AJUDE A PRESERVÁ-LOS.

Comentários (0)

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.