06/08/06 - 21h:32mDenunciar

MINERAÇÃO NO SERRO - CONHEÇA O PROJETO

CONHEÇA O PROJETO DE MINERAÇÃO QUE A ANGLO FERROUS-MMX ESTÁ IMPLANTANDO NO "SERRO", "CONCEIÇÃO DO MATO DENTRO" E "ALVORADA DE MINAS"

Sistema Anglo Ferrous / MMX Minas-Rio


. Anglo Ferrous Minas-Rio amplia investimentos em Minas
. Grupo pede “impeachment” de Aécio e suspensão da mineração
. Promotor pede paralisação de obra do Mineroduto Minas-Rio
. Conceição do Mato Dentro: impacto socioambiental preocupa moradores e autoridades
. Eike vende minas, repassa contrato e se mete em encrenca, diz jornal
. Anglo American compra parte da MMX por R$ 5,5 bi



O Sistema Minas-Rio compreenderá uma mina de minério de ferro (Mina Minas Gerais), um mineroduto (um duto que transportará polpa de minério de ferro ao terminal portuário), um terminal portuário (Porto do Açu) e uma usina de pelotização. A Companhia era inicialmente proprietária de 70% das quotas representativas do capital social da MMX Minas-Rio, proprietária das jazidas que compreenderão a Mina Minas Gerais e do imóvel que compreenderá o Porto do Açu, e de 99,9% das quotas representativas do capital social da MMX Metálicos, que desenvolve a usina de pelotização no Sistema MMX Amapá.

O Sistema Minas-Rio é um projeto integrado formado por jazidas de minério de ferro, um mineroduto de aproximadamente 553 quilômetros (com capacidade para transportar 26,6 milhões de toneladas por ano) ligando Minas Gerais ao Porto do Açu, a ser construído no município de São João de Barra no estado do Rio de Janeiro. O Sistema conterá uma usina de pelotização, na área do Porto de Açu, com a conclusão do plano de desenvolvimento. O Porto do Açu será um terminal de uso misto, com instalações de primeira linha e com uma grande retro-área ( 1.924 hectares ), onde será construída uma usina de pelotização, com capacidade de produção de 7,0 milhões de toneladas por ano.

A Companhia esperava iniciar a exportação de minério de ferro a partir do Sistema Minas-Rio em abril de 2009. Acredita-se que o Sistema Minas-Rio, em plena capacidade, produzirá até 26,6 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, dos quais 19,0 milhões de toneladas serão pellet feed para exportação e 7,6 milhões de toneladas de pellet feed serão empregadas na produção de 7,0 milhões de toneladas de pelotas de minério de ferro, beneficiadas em uma usina de pelotização a ser construída no terreno do Porto do Açu. Estima-se que a usina de pelotização da Companhia, no Porto do Açu, iniciará suas operações em 2010. A exportação de produtos derivados de minério de ferro produzido no Sistema Minas-Rio será realizada através de navios transoceânicos do tipo cape-size e Navios VLOC.

Em 28 de abril de 2006, a MMX Minas-Rio adquiriu, por meio de contratos de opção, seis Alvarás de Autorização de Pesquisa, na região da Serra do Espinhaço, Minas Gerais, no âmbito do Sistema Minas-Rio. Os direitos minerários adquiridos contêm fortes indicativos de um extenso depósito de minério de ferro de qualidade, capaz de proporcionar produtos no segmento premium da indústria de minério de ferro, estando compreendidos na mesma faixa de ocorrência geológica dos Alvarás de Autorização de Pesquisa da Companhia situados no município de Alvorada de Minas e Serro, sendo que, até 31 de março de 2006, apenas no Alvará do Município de Alvorada de Minas já havia sido identificado 407,86 milhões de toneladas de recursos indicados e aproximadamente 305,16 milhões de toneladas de recursos de minério de ferro inferidos.

As características geológicas dos direitos minerários adquiridos encorajaram a Companhia a iniciar, de imediato, trabalhos de pesquisa para comprovação de novos recursos e reservas de minério de ferro, assim como está sendo efetuado em Alvorada de Minas e iniciado na região do Serro.

Em 27 de abril de 2006, a Companhia firmou Memorando de Entendimentos com a Sojitz Corporation, que tem por objeto a aquisição de 6 milhões de toneladas (dmt – equivalentes a 6,5 milhões de toneladas úmidas) de pellet feed por ano do Sistema Minas-Rio. A Sojitz Corporation informou que pretende negociar o produto adquirido da Companhia exclusivamente a consumidores da indústria siderúrgica na China. O compromisso de compra da Sojitz Corporation, após a celebração de contrato definitivo de compra e venda, deverá ter vigência de 5 a 10 anos. O minério de ferro será entregue FOB no Porto de Açu e vendido a preço de mercado, com reajustes anuais, conforme negociações entabuladas entre produtores e grandes consumidores de minério de ferro.

Em 28 de abril de 2006, a MMX firmou Memorando de Entendimentos com a Sumitomo Corporation, empresa trading japonesa de renome, que tem por objeto a aquisição, pela Sumitomo Corporation, de pelo menos 6 milhões e até 10 milhões de toneladas (dmt – equivalentes a 6,5 e 10,9 milhoes de toneladas úmidas, respectivamente) de pellet feed por ano do Sistema Minas-Rio. A Sumitomo Corporation contempla negociar o produto adquirido da Companhia a consumidores japoneses ou de outros países asiáticos, ou, ainda, através de sócios estratégicos europeus. O compromisso de compra da Sumitomo Corporation, após a celebração de contrato definitivo de compra e venda, previa ter vigência de 5 a 10 anos. O minério de ferro será entregue FOB no Porto de Açu e vendido a preço de mercado, com reajustes anuais, conforme negociações entabuladas entre produtores e grandes consumidores de minério de ferro.

Este projeto envolve a Mina Minas Gerais, o mineroduto e o Porto do Açu. O investimento total de US$ 2,0 bilhões. Planejamentos financiar 75% deste projeto. A Companhia recebeu uma sinalização do Unibanco para uma linha de crédito de R$1,5 bilhão, sujeita a condições usuais de mercado, tais como constituição de garantias, auditoria de informações da MMX Minas-Rio e do projeto. O financiamento com o Unibanco previu prazo de 12 anos. O restante 25% dos investimentos necessários previam ser financiados com os próprios recursos da Companhia e parcela equivalente a 30% de propriedade da Centennial será arcada pela mesma. Para os investimentos iniciais do projeto e licenças, o Unibanco liberou uma linha, na modalidade empréstimo-ponte, de US$50,0 milhões.

Os investimentos de US$433,0 milhões na planta de pelotização no Rio de Janeiro previam ser financiados com empréstimos e financiamentos, sendo que já a Companhia obteve do Banco Itaú BBA, uma linha de crédito no valor de US$ 325,0 milhões, contratada por força de um acordo inicial com o Banco Itaú BBA, no qual a instituição financeira se comprometeu com linhas próprias no valor de US$195,0 milhões e com linhas sindicalizadas em condições de melhores esforços no valor de US$130,0 milhões. A linha de crédito contratada com o Banco Itaú BBA estava sujeita a condições usuais de mercado, tais como constituição de garantias, auditoria de informações da MMX e do projeto, prazo de amortização de 10 anos, carência de seis meses após o inicio da operação comercial da planta de pelotização situada no Sistema Minas-Rio, e taxa de juros equivalente a Libor de seis meses mais um spread de 1,4%, nas condições de mercado.


Última Atualização: 27 de fevereiro de 2013


Fonte: http://www.mmx.com.br/ri/index.htm


Música: Blowin in the Wind - Bob Dylan




VOLTAR PARA A PÁGINA INICIAL DO GUIA DO SERRO




A NATUREZA, A ARQUITETURA E OS BENS CULTURAIS DO SERRO
TAMBÉM SÃO SEUS. AJUDE A PRESERVÁ-LOS.

Comentários (1)

claudenir03
1. claudenir03 12/03/13 15:49

Veja O que a Anglo American Fez comigo aqui em Ponte Alta de Minas http://www.youtube.com/watch?v=3Yn7TCP6yjE

Fotos postadas a mais de 15 dias não podem receber comentários.